O Pão do Diabo

       Espalhou-se no bairro a notícia de que Ludovico, ao partir o pão quando jantava, teria exclamado:
      -Este é realmente o pão que o diabo amassou.
     O padeiro Romualdo sentiu-se ofendido em sua honra profissional e foi pedir satisfação.  Ludovico não só confirmou o que dissera, como aduziu:
       - É também o diabo que fabrica a sua farinha, Romualdo. Fique alerta e verá.
      O padeiro não dormiu aquela noite. De madrugada, pé antepé, entrou na padaria e surpreendeu um estranho ser que retirava os pães do forno, fazendo-os desaparecer e substituindo-os por outros que eram amassados na hora, feitos de uma farinha especial, com vago cheiro de enxofre.
       Petrificado de espanto, Romualdo nada pôde fazer. Mesmo porque logo em seguida caiu duro no chão, onde foi encontrado ao amanhecer, e pouco a pouco recuperou a consciência.
        Seu primeiro gesto foi pedir um pão e cheirá-lo. Cheirava natural, mas o padeiro não ousou prová-lo. Fechou o estabelecimento e sumiu no mundo.
        Ludovico arrematou as instalações e passou a ser o padeiro do bairro, sem problemas.

Postagens mais visitadas deste blog

De um lado cantava o sol - Cecília Meireles

Vermeer e os impressionistas

Depois do sol...