Trocas de influências com Émile Zola

          O grande escritor francês Émile Zola teve forte influência sobre Paul Cézanne desde o início da carreira de pintor, quando o incentivou a se mudar para Paris, a fim de estudar na escola de Belas-Artes. Amigos na infância, pintor e escritor trocaram experiências artísticas. Em 1867, Cézanne se inspirou em dos primeiros escritos de Zola e pintou O Estupro. Em 1886, foi a vez de o escritor se inspirar no amigo e escrever A Obra, cujo personagem Claude Lentier, um artista frustrado que termina se matando diante de sua obra inacabada por não suportar a angústia de um talento não-realizado. Cézanne não gostou da comparação e rompeu definitivamente com Zola, por meio de uma carta breve e seca. Eles haviam se conhecido em 1852, em Aixen-Provence, no prestigioso Collège Bourbon. Bons alunos, Cézanne tinha 13 anos, ao passo que Zola era um pouco mais jovem; costumavam conversar sobre arte, literatura e poesia e, paradoxalmente, Zola se dedicava bastante ao desenho, enquanto Cézanne compunha poesias em latim. Na escola, o futuro escritor era perseguido pelos colegas porque vinha de Paris, falava “fazendo biquinho”, tinha jeito de menina e, além de tudo, era pobre. Um dia Cézanne tomou a defesa de Zola e, como recompensa, no dia seguinte, Émile lhe deu uma cesta cheia de maças. Foi o início da intensa amizade que os uniu por 34 anos. 

Postagens mais visitadas deste blog

De um lado cantava o sol - Cecília Meireles

Vermeer e os impressionistas

Depois do sol...