Minha musa (Álvares de Azevedo)

1.

Minha musa é a lembrança
Dos sonhos em que eu vivi,
É de uns lábios a esperança
E a saudade que eu nutri!
É a crença que alentei,
As luas belas que amei
E os olhos por quem morri!

2.

Os meus cantos de saudade
São amores que eu chorei,
São lírios da mocidade
Que murcham porque te amei!
As minhas notas ardentes
São as lágrimas dementes
Que em teu seio derramei!

3.

Do meu outono os desfolhos,
Os astros do teu verão,
A languidez de teus olhos
Inspiram minha canção...
Sou poeta porque és bela,
Tenho em teus olhos, donzela,
A musa do coração!

4.

Se na lira voluptuosa
Entre as fibras que estalei
Um dia atei uma rosa
Cujo aroma respirei...
Foi nas noites de ventura,
Quando em tua formosura
Meus lábios embriaguei!

5.

E se tu queres, donzela,
Sentir minh'alma vibrar,
Solta essa trança tão bela,
Quero nela suspirar!
E dá repousar-me teu seio...
Ouvirás no devaneio

A minha lira cantar!

1. Que visão tem o eu lírico acerca da mulher?
2. Pode-se dizer que se manifesta no poema a visão platônica do amor? Justifique sua resposta.
3. Esse poema exemplifica o chamado mal do século? Justifique sua resposta.



Resolução
1. a mulher é quem dá sentido à sua existência; é por causa dela, inclusive, que ele é poeta. A mulher é supervalorizada pelo eu lírico.
2. espera-se que  os estudantes perceba as referências ao contato físico do eu lírico com a amada. A relação entre ambos não foi apenas platônica.
3. o eu lírico expresso pelo eu lírico não é marcado pelo pessimismo e pela desesperança. 

Postagens mais visitadas deste blog

De um lado cantava o sol - Cecília Meireles

Vermeer e os impressionistas

Depois do sol...