Pular para o conteúdo principal

Análise de algumas variáveis subjetivas da coesão social

Na América Latina não há um conjunto sistemático e coerente de indicadores subjetivos da coesão social. O que de fato existe são informações fragmentadas que dão conta, de maneira ilustrativa, da  realidade latino-americana no tocante a algumas variáveis associadas à coesão social.



Uma das fontes de informação é o Latinobarómetro, uma pesquisa de opinião que não apenas cobre uma ampla gama de temas, mas também apresenta limitações,razão pela qual os dados ue fornece são apenas ilustrativos.

1. Percepções sobre a justiça

O Latinobarômetro mostra que um percentual elevado da população considera que o sistema judiciário não é justo e que, além de discriminar, não funciona efi cientemente. Só pouco mais de um terço dos entrevistados em 17 países (36% em 2001 e 35% em 2003) declara estar “de acordo” ou “muito de acordo” com a afi rmação de que “o sistema judiciário pune os culpados sem que sua identidade importe”. Há, porém, grandes diferenças de opinião entre um país e outro. Na Argentina e no Paraguai, menos de uma pessoa de cada cinco (18% em média) manifesta a mesma concordância, enquanto na Nicarágua e no Uruguai quase a metade (47% em média) dos entrevistados declara estar de acordo com essa afi rmação. Também se observam diferenças que obedeceriam à origem étnica dos entrevistados. Na Bolívia, na Guatemala e no Peru o índice da população indígena 21 que concorda com tal afi rmação é signifi cativamente mais baixo (12,7% e 17%, respectivamente). Cabe levar em conta essa constatação, uma vez que as diferenças em função da origem étnica adquirem maior importância quando se trata de atitudes e predisposições pessoais, que são dimensões subjetivas mais “próximas” dos comportamentos.

2. Insegurança no emprego

Um número grande de latino-americanos expressa preocupação com a possibilidade de perda do emprego em um futuro próximo, um sentimento que aparentemente não mudou desde meados da década passada. Em 2005, três de cada quatro pessoas ocupadas 22 responderam que estavam “muito preocupadas” ou “preocupadas” quando lhes foi feita esta pergunta: “Em que medida você se preocupa com a possibilidade de não ter trabalho ou de estar desempregado nos próximos doze meses?” A análise da série do Latinobarômetro correspondente a essa pergunta mostra um aumento da preocupação das pessoas com a possibilidade de não terem trabalho que atingiu na Região o nível máximo de 80%, em 2002, devido em parte ao incremento registrado na Argentina (de 72% em 2000 para 86% em 2002) e no Uruguai (de 63% para 74% nos mesmos anos). Também se observou um aumento no Brasil, Chile, Honduras e Panamá, nos primeiros anos da década.

Leia o texto completo em:
http://www.eclac.org/publicaciones/xml/4/29354/Cap5Cohesionpr.pdf


Postagens mais visitadas deste blog

Minhas férias - Luis Fernando Veríssimo

Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro (Dogman) fomos fazer camping. Meu pai decidiu fazer camping este ano porque disse que estava na hora de a gente conhecer a natureza de perto, já que eu, a minha irmã (Su) e o meu cachorro (Dogman) nascemos em apartamento, e, até os 5 anos de idade, sempre que via um passarinho numa árvore, eu gritava "aquele fugiu!" e corria para avisar um guarda; mas eu acho que meu pai decidiu fazer camping depois que viu o preço dos hotéis, apesar de a minha mãe avisar que, na primeira vez que aparecesse uma cobra, ela voltaria para casa correndo, e a minha irmã (Su) insistir em levar o toca- discos e toda a coleção de discos dela, mesmo o meu pai dizendo que aonde nós íamos não teria corrente elétrica, o que deixou minha irmã (Su) muito irritada, porque, se não tinha corrente elétrica, como ela ia usar o secador de cabelo? Mas eu e o meu cachorro (Dogman) gostamos porque o meu pai disse que nós íamos pescar, e cozinhar nós mesmos o p…

Ruth Rocha - Vida e obras

De como a menina que devorava livros virou a escritora que aprendeu a voar. Quando Ruth Rocha sorri o mundo parece sorrir à sua volta. Na verdade são muitos mundos que se iluminam diante do seu eterno olhar de menina. A começar pelo que ela viu se transformar em mais de 80 anos de vida, metade deles dedicados a escrever histórias que marcam a vida de milhões de crianças e jovens. Uma das maiores escritoras da literatura infanto-juvenil brasileira, Ruth nasceu em 2 de março de 1931, em uma São Paulo muito diferente onde cada bairro parecia uma cidade do interior. Na Vila Mariana onde cresceu haviam grandes chácaras, com muitas árvores, carregadas de flores e frutos, quintais e caminhos de terra que foram cenário para as suas brincadeiras e aventuras de infância. A segunda filha do Doutor Álvaro e de dona Esther, ouviu da mãe as primeiras histórias contadas como tradição de família ou lidas em livros de contos clássicos e de Monteiro Lobato. O mundo da literatura se abriu de vez com Rei…

Resumo do livro Pra que serve?, de Ruth Rocha

Mesmo que não haja uma definição específica do que seja romance juvenil, é comum os autores consagrados da literatura infantil também se aventurarem no universo adolescente ou juvenil, escrevendo narrativas que enfocam as questões “próprias” da idade: medos, relacionamentos, separação de pais, entre outros.  O livro Pra que serve?, de Ruth Rocha, uma das obras que fazem parte da coleção Literatura em Minha Casa, distribuída para alunos de escola pública de todo o Brasil, nessa obra, em uma historia bem interessante, começa quando marina vai para um acampamento nas férias e lá ela encontra pessoas que conhecem e não, ela fica em um quarto com mônica, Mirna e as geme-as Paula e Patrícia, no segundo dia todo mundo vai para a aula de artes,  Marina faz um jacaré e depois quando ela vai para o quarto Pedro chega para ela e pergunta,  Marina pra que serve esse jacaré? Marina não sabe responder e fica pensando a respeito. No dia seguinte fica perguntando para as pessoas e para si mesma para…