Pular para o conteúdo principal

A fragmentação do mundo romano



A crise social decorrente da rápida expansão romana levou a um período conturbado de tentativas de reformas (irmãos Graco) e de ditaduras militares (Mário, Sila, César, Otávio), após derrotar seus rivais e conquistar o Egito, reuniu todo poder em suas mãos, na prática inaugurou o período imperial (27 a.C.). Todavia continuou a se ressentir dos problemas estruturais dos últimos tempos republicanos. A forte desigualdade sócio-político-econômica, o escravismo, o gigantismo do Estado, a crise espiritual continuaram presentes.

            A passagem do poder oligárquico (o Senado republicano) ao pessoal (o imperador) não resolveu a questão política. Se Otávio Augusto e mais tarde alguns sucessores (Trajano, Adriano, Antônio) revelaram-se eficientes estadistas e administradores, não conseguiram formular uma regra clara e indiscutível de acesso ao trono. Em função disso, muitos militares e efêmeros que aumentaram as dificuldades de Roma. No curto período de 235-284, por exemplo, Roma conheceu vinte e seis imperadores. É natural então que muitas províncias tenham buscado autonomia, mostrando a impossibilidade de se manter o vasto império unido. Tentativas de reformas político-administrativas, como a de Diocleciano no final do século III, não tiveram sucesso duradouro.

            Nesse contexto é que se deve entender a política de aproximação entre o imperador Constantino e o cristianismo. Essa religião, pouco importante no início, era uma seita judaica, surgida em uma distante e secundária província do império. Sua mensagem de igualitarismo, pacifismo e sobretudo de esperança dizia muita às populações mais pobres e marginalizadas do império. As dificuldades desta vida eram suportáveis com a expectativa de Céu. Por isso, a nova religião ganhara terreno em função da crise romana. Apesar de tornar-se proibido por negar o caráter divino do imperador romano, o cristianismo continuou a fazer adeptos. Percebendo isso, Constantino, em 313, revogou a proibição ao culto cristão e o Teodósio, em 380, transformou-o na religião oficial do Estado, proibindo, em 392, os cultos pagãos.

            Significativamente, nessa última data, reconhecendo o alcance da crise, Teodósio dividiu o império em duas partes autônomas, com duas capitais e dois imperadores. Quebrava-se a velha unidade mediterrânea. Paralelamente, a pressão dos povos germânicos desde o século III gerava enorme insegurança e acentuava as tendências separatista de cada região. Caminhava-se claramente para a fragmentação da Europa, que se estenderia por vários séculos.

Postagens mais visitadas deste blog

Minhas férias - Luis Fernando Veríssimo

Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro (Dogman) fomos fazer camping. Meu pai decidiu fazer camping este ano porque disse que estava na hora de a gente conhecer a natureza de perto, já que eu, a minha irmã (Su) e o meu cachorro (Dogman) nascemos em apartamento, e, até os 5 anos de idade, sempre que via um passarinho numa árvore, eu gritava "aquele fugiu!" e corria para avisar um guarda; mas eu acho que meu pai decidiu fazer camping depois que viu o preço dos hotéis, apesar de a minha mãe avisar que, na primeira vez que aparecesse uma cobra, ela voltaria para casa correndo, e a minha irmã (Su) insistir em levar o toca- discos e toda a coleção de discos dela, mesmo o meu pai dizendo que aonde nós íamos não teria corrente elétrica, o que deixou minha irmã (Su) muito irritada, porque, se não tinha corrente elétrica, como ela ia usar o secador de cabelo? Mas eu e o meu cachorro (Dogman) gostamos porque o meu pai disse que nós íamos pescar, e cozinhar nós mesmos o p…

Ruth Rocha - Vida e obras

De como a menina que devorava livros virou a escritora que aprendeu a voar. Quando Ruth Rocha sorri o mundo parece sorrir à sua volta. Na verdade são muitos mundos que se iluminam diante do seu eterno olhar de menina. A começar pelo que ela viu se transformar em mais de 80 anos de vida, metade deles dedicados a escrever histórias que marcam a vida de milhões de crianças e jovens. Uma das maiores escritoras da literatura infanto-juvenil brasileira, Ruth nasceu em 2 de março de 1931, em uma São Paulo muito diferente onde cada bairro parecia uma cidade do interior. Na Vila Mariana onde cresceu haviam grandes chácaras, com muitas árvores, carregadas de flores e frutos, quintais e caminhos de terra que foram cenário para as suas brincadeiras e aventuras de infância. A segunda filha do Doutor Álvaro e de dona Esther, ouviu da mãe as primeiras histórias contadas como tradição de família ou lidas em livros de contos clássicos e de Monteiro Lobato. O mundo da literatura se abriu de vez com Rei…

Resumo do livro Pra que serve?, de Ruth Rocha

Mesmo que não haja uma definição específica do que seja romance juvenil, é comum os autores consagrados da literatura infantil também se aventurarem no universo adolescente ou juvenil, escrevendo narrativas que enfocam as questões “próprias” da idade: medos, relacionamentos, separação de pais, entre outros.  O livro Pra que serve?, de Ruth Rocha, uma das obras que fazem parte da coleção Literatura em Minha Casa, distribuída para alunos de escola pública de todo o Brasil, nessa obra, em uma historia bem interessante, começa quando marina vai para um acampamento nas férias e lá ela encontra pessoas que conhecem e não, ela fica em um quarto com mônica, Mirna e as geme-as Paula e Patrícia, no segundo dia todo mundo vai para a aula de artes,  Marina faz um jacaré e depois quando ela vai para o quarto Pedro chega para ela e pergunta,  Marina pra que serve esse jacaré? Marina não sabe responder e fica pensando a respeito. No dia seguinte fica perguntando para as pessoas e para si mesma para…