Pular para o conteúdo principal

História de Porto Seguro

Era o início do reinado de D. Manoel I, entre 9 de março e 22 de Abril de 1500, quando, apoiados na letra do Tratado de Tordesilhas, cerca de mil e quinhentos portugueses atravessaram o Atlântico, embarcados em 9 naus, três caravelas e uma pequena nave de mantimentos. Era a Segunda armada da Índia, a maior que alguma vez saíra de Portugal a caminho do mundo. Havia zarpado do Tejo por entre exclamações e lágrimas com 13 navios, mas a 23 de março, nas águas calmas, mas enevoadas de Cabo Verde uma das naus desapareceu sem deixar rastro. Em 22 de abril de 1500, depois de 42 dias de viagens, a frota de Pedro Álvares Cabral vislumbrava terra – mais com alívio e prazer do que com surpresa ou espanto. Segundo o testemunho do escrivão Pero Vaz de Caminha, naquela tarde de 22 de Abril “os nossos toparam um grande monte, mui alto e redondo ao qual monte alto o capitão pôs o nome Monte Pascoal e à terra a Terra de Vera Cruz.”
 
  Pedro Álvares Cabral, o comandante, mandou fundear a armada a cerca de 19 milhas de terra, um pouco a norte do parque de Monte Pascoal, entre a pontas de Itaquena e Itapiroca, em frente à Barra do Rio dos Frades. No dia seguinte, 23 de abril, iniciaram-se as sondagens do leito marinho e alguns navios ancoraram em frente à grandiosa Mata Atlântica. Muito provavelmente o capitão Nicolau Coelho terá sido o primeiro português a pôr pé no novo continente e a se comunicar com um pequeno grupo de índios tupiniquins que apareceu na praia.
 
Nos nove dias que se seguiram, nas enseadas generosas da Bahia, os 12 navios da maior armada já enviada às Índias pela rota descoberta por Vasco da Gama permaneceriam reconhecendo a nova terra e seus habitantes. O primeiro contato, amistoso com os demais deu-se já na quinta-feira, 23 de abril. O capitão Nicolau Coelho, veterano das Índias e companheiro de Gama, foi à terra, em um batel, e deparou com 18 homens “pardos, nus, com arcos e setas nas mãos”. Coelho deu-lhes um gorro vermelho, uma carapuça de linho e um sombreiro preto. Em troca, recebeu um cocar de plumas e um colar de contas brancas. O Brasil, batizado Ilha de Vera Cruz, entrava, naquele instante, no curso da História. Foi justamente no município de Cabrália, na Coroa Vermelha, que Frei Henrique de Coimbra celebrou a primeira missa, que continua a ser orgulhosamente relembrada por brancos e índios em cada ano que passa.
 
 
http://www.villaggioportoseguro.com.br/historia.htm
 
 
 
Algumas imagens de Porto Seguro

 
Rua do Cais à noite

Praia de Ponta Grande com a maré baixa


Praça Inaiá

Artista de rua, em frente à Paróquia Nossa Senhora da Pena

Praia do Mundaí

Praça Inaiá

Praça da Bandeira com exposição de telas

Praia de Ponta Grande

Praia de Ponta Grande

Rua do Cais

 

Postagens mais visitadas deste blog

Minhas férias - Luis Fernando Veríssimo

Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro (Dogman) fomos fazer camping. Meu pai decidiu fazer camping este ano porque disse que estava na hora de a gente conhecer a natureza de perto, já que eu, a minha irmã (Su) e o meu cachorro (Dogman) nascemos em apartamento, e, até os 5 anos de idade, sempre que via um passarinho numa árvore, eu gritava "aquele fugiu!" e corria para avisar um guarda; mas eu acho que meu pai decidiu fazer camping depois que viu o preço dos hotéis, apesar de a minha mãe avisar que, na primeira vez que aparecesse uma cobra, ela voltaria para casa correndo, e a minha irmã (Su) insistir em levar o toca- discos e toda a coleção de discos dela, mesmo o meu pai dizendo que aonde nós íamos não teria corrente elétrica, o que deixou minha irmã (Su) muito irritada, porque, se não tinha corrente elétrica, como ela ia usar o secador de cabelo? Mas eu e o meu cachorro (Dogman) gostamos porque o meu pai disse que nós íamos pescar, e cozinhar nós mesmos o p…

Ruth Rocha - Vida e obras

De como a menina que devorava livros virou a escritora que aprendeu a voar. Quando Ruth Rocha sorri o mundo parece sorrir à sua volta. Na verdade são muitos mundos que se iluminam diante do seu eterno olhar de menina. A começar pelo que ela viu se transformar em mais de 80 anos de vida, metade deles dedicados a escrever histórias que marcam a vida de milhões de crianças e jovens. Uma das maiores escritoras da literatura infanto-juvenil brasileira, Ruth nasceu em 2 de março de 1931, em uma São Paulo muito diferente onde cada bairro parecia uma cidade do interior. Na Vila Mariana onde cresceu haviam grandes chácaras, com muitas árvores, carregadas de flores e frutos, quintais e caminhos de terra que foram cenário para as suas brincadeiras e aventuras de infância. A segunda filha do Doutor Álvaro e de dona Esther, ouviu da mãe as primeiras histórias contadas como tradição de família ou lidas em livros de contos clássicos e de Monteiro Lobato. O mundo da literatura se abriu de vez com Rei…

Resumo do livro Pra que serve?, de Ruth Rocha

Mesmo que não haja uma definição específica do que seja romance juvenil, é comum os autores consagrados da literatura infantil também se aventurarem no universo adolescente ou juvenil, escrevendo narrativas que enfocam as questões “próprias” da idade: medos, relacionamentos, separação de pais, entre outros.  O livro Pra que serve?, de Ruth Rocha, uma das obras que fazem parte da coleção Literatura em Minha Casa, distribuída para alunos de escola pública de todo o Brasil, nessa obra, em uma historia bem interessante, começa quando marina vai para um acampamento nas férias e lá ela encontra pessoas que conhecem e não, ela fica em um quarto com mônica, Mirna e as geme-as Paula e Patrícia, no segundo dia todo mundo vai para a aula de artes,  Marina faz um jacaré e depois quando ela vai para o quarto Pedro chega para ela e pergunta,  Marina pra que serve esse jacaré? Marina não sabe responder e fica pensando a respeito. No dia seguinte fica perguntando para as pessoas e para si mesma para…