Pular para o conteúdo principal

Então é Natal, e o que a gente fez?

Para que não seja só mais uma festa, o bom do Natal é celebrá-lo em família e comunidade, como um tempo de união, confraternização, renovação de esperanças e projetos, individuais e coletivos, que serviram a uma boa causa e se prolongam pelo novo ano. O ambiente pode ser simples, com música, uma toalha, velas, pinheiro ou ramos verdes, flores e frutas; um calendário velho e um novo. Conversar sobre o ano vivido, os projetos realizados e o que cada um espera para o próximo ano. Cantar juntos a música Então é Natal, conversando sobre o que ela sugere. Acender as velas, à medida que vão sendo citadas as boas ações do grupo, da comunidade e outras que neste ano somaram para a paz. Com o abraço da paz, selar o compromisso, individual e coletivo, de não medir esforços para que cada vez mais seja construída uma cultura de paz entre nós e entre todos os povos. (segue a celebração).
 
ENTÃO É NATAL
 
Leitor 1- É Natal, festa de alegria, paz, amor, luz. O Menino Jesus nasceu da Virgem Maria. Ele quis ser um de nós, realizando a vontade e o plano de Deus Pai.
 
Leitor 2- Natal, é uma ocasião privilegiada para amadurecer e celebrar nossa fé e vida, para reavivar em nós a boa notícia do nascimento do Salvador.
 
Vamos celebrar a GRATUIDADE - Cristo se fez um de nós, na gratuidade, para nos salvar.
Celebrar a GENEROSIDADE – Transbordou de amor para nos servir.
Celebrar a VIDA – Nele ganhamos a vida em plenitude.
Canto: Vamos celebrar a vida, viver é celebrar. Vamos celebrar o amor, amar é celebrar.
Celebrar a MISERICÓRDIA – Ensinou-nos a perdoar.
Canto: /:Misericórdia nosso Deus perdão, misericórdia tende compaixão:/ (fazer um gesto)
Juntos: Celebrar a alegria, a simplicidade, a santidade, a verdade, a libertação, a doação.
Celebrar a beleza do PRESÉPIO – a natureza, a perseverança, a humildade, a pobreza, a inclusão, a conversão, a luz, a paz, a fé e a comunhão.
Celebrar o AMOR – na família, na comunidade, na sociedade.
 
Leitor 3 – Deus Menino nos pede o compromisso de servir aos pobres, aos fracos e às crianças. Rezando o Pai Nosso, meditamos: quem reparte o pão, partilha Deus. ( Pai Nosso)
 
Leitor 4- O povo viu uma grande luz (acender a vela) e os pastores foram para lá, encontraram o Menino deitado em palha (colocar o Menino Jesus na Manjedoura) . Os anjos cantaram glória. Hoje cantamos a canção Então é Natal. (depois segue abraço de Feliz e abençoado Natal).
 
Então é Natal, e o que você fez?
O Ano termina e nasce outra vez.
Então é Natal, a festa Cristã,
Do velho e do novo, do amor como um todo.
Então é Natal e um ano novo também.
Que seja feliz, quem souber o que é o bem.
Então é Natal, pro enfermo e pro são,
Pro rico e pro pobre, num só coração.
Então bom Natal, pro branco e pro negro,
Amarela e vermelho, pra paz afinal.
Então bom Natal e um ano novo também.
Que seja feliz, quem souber o que é o bem.
Então é Natal, o que a gente fez?
O ano termina e começa outra vez.
E então é Natal, a festa Cristã,
Do velho e do novo, o amor como um todo.
Então bom Natal e um ano novo também.
Que seja feliz, que souber o que é o bem.
Harehama, há quem ama.
Harehama, há...
Então é Natal, e o que você fez?
O ano termina e nasce outra vez.
Hiroshima, Hagasaki, Mururoa...
 
 
Algumas imagens:















 

Postagens mais visitadas deste blog

Minhas férias - Luis Fernando Veríssimo

Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro (Dogman) fomos fazer camping. Meu pai decidiu fazer camping este ano porque disse que estava na hora de a gente conhecer a natureza de perto, já que eu, a minha irmã (Su) e o meu cachorro (Dogman) nascemos em apartamento, e, até os 5 anos de idade, sempre que via um passarinho numa árvore, eu gritava "aquele fugiu!" e corria para avisar um guarda; mas eu acho que meu pai decidiu fazer camping depois que viu o preço dos hotéis, apesar de a minha mãe avisar que, na primeira vez que aparecesse uma cobra, ela voltaria para casa correndo, e a minha irmã (Su) insistir em levar o toca- discos e toda a coleção de discos dela, mesmo o meu pai dizendo que aonde nós íamos não teria corrente elétrica, o que deixou minha irmã (Su) muito irritada, porque, se não tinha corrente elétrica, como ela ia usar o secador de cabelo? Mas eu e o meu cachorro (Dogman) gostamos porque o meu pai disse que nós íamos pescar, e cozinhar nós mesmos o p…

Resumo do livro Pra que serve?, de Ruth Rocha

Mesmo que não haja uma definição específica do que seja romance juvenil, é comum os autores consagrados da literatura infantil também se aventurarem no universo adolescente ou juvenil, escrevendo narrativas que enfocam as questões “próprias” da idade: medos, relacionamentos, separação de pais, entre outros.  O livro Pra que serve?, de Ruth Rocha, uma das obras que fazem parte da coleção Literatura em Minha Casa, distribuída para alunos de escola pública de todo o Brasil, nessa obra, em uma historia bem interessante, começa quando marina vai para um acampamento nas férias e lá ela encontra pessoas que conhecem e não, ela fica em um quarto com mônica, Mirna e as geme-as Paula e Patrícia, no segundo dia todo mundo vai para a aula de artes,  Marina faz um jacaré e depois quando ela vai para o quarto Pedro chega para ela e pergunta,  Marina pra que serve esse jacaré? Marina não sabe responder e fica pensando a respeito. No dia seguinte fica perguntando para as pessoas e para si mesma para…

Ruth Rocha - Vida e obras

De como a menina que devorava livros virou a escritora que aprendeu a voar. Quando Ruth Rocha sorri o mundo parece sorrir à sua volta. Na verdade são muitos mundos que se iluminam diante do seu eterno olhar de menina. A começar pelo que ela viu se transformar em mais de 80 anos de vida, metade deles dedicados a escrever histórias que marcam a vida de milhões de crianças e jovens. Uma das maiores escritoras da literatura infanto-juvenil brasileira, Ruth nasceu em 2 de março de 1931, em uma São Paulo muito diferente onde cada bairro parecia uma cidade do interior. Na Vila Mariana onde cresceu haviam grandes chácaras, com muitas árvores, carregadas de flores e frutos, quintais e caminhos de terra que foram cenário para as suas brincadeiras e aventuras de infância. A segunda filha do Doutor Álvaro e de dona Esther, ouviu da mãe as primeiras histórias contadas como tradição de família ou lidas em livros de contos clássicos e de Monteiro Lobato. O mundo da literatura se abriu de vez com Rei…