Figuras à Margem da Sociedade Ganham o Centro das Telas

Toulouse-Lautrec era apaixonado pelo que se pode chamar “mundo marginal” parisiense do final do século XIX. Como musas, Lautrec elegeu personagens anônimos, principalmente mulheres. Garçonetes, dançarinas, de cancã, prostitutas e lésbicas foram sua principal fonte de inspiração para criar envolventes personagens erotizadas que, no entanto, também o levaram à decadência. Rosa La Rouge, sua modelo predileta, lhe transmitiu a sífilis, doença que, aliada ao alcoolismo, foi responsável pela morte precoce do pintor, aos 36 anos de idade.
            Apesar do nanismo e do aspecto pouco atraente de seu corpo de homem sobre pernas de garoto, Toulouse-Lautrec seduzia as mulheres pelo bolso, mantido cheio pela nobre família de Albi, sul da França. Nos momentos de depressão, o artista refugiava-se nos bordéis e relacionava-se cm artistas como La Goulue, a dançarina mais famosa do Moulin Rouge, Jane Avril, Yvette Guilbert, Grille d’Égout e Raynon d’Or, todas suas madonas, retratas em pôsteres e quadros. Outra figura feminina de destaque foi sua mãe, a condessa Adèle, com quem o artista se correspondia frequentemente e costumava visitar nas férias.
            Lautrec tinha mesa cativa no Moulin Rouge, aonde ia com um bloquinho para anotar todas as atitudes e gestos das dançarinas e prostitutas, com quem dividia a solidão e miséria moral. Considerava-as prisioneiras de um luxo artificial e, por isso, insistia em pintá-las vestidas, enquanto aguardavam os clientes em divãs, ou no momento do abandono, esgotadas pela noite, soltando ligas e desatando espartilhos. De personalidade conturbada e provocadora, Lautrec vangloriava-se em público de suas conquistas amorosas. Foi o italiano Zandomeneghi, que trabalhava com Pierre-Auguste Renoir, em Paris, quem apresentou Marie Valadon a Lautrec. Marie foi a célebre modelo da tela Acrobata Equestre (1884), que mudou o nome para Suzanne a pedido do artista. Suzanne Valadon tornou-se amante de Lautrec e modelo de várias obras do artista, como La Buveuse, admirada por Van Gogh.   
            Seu pai, envergonhado com suas atitudes, chegou a pedir-lhe que não usasse mais o sobrenome da família, fato que o levou a criar anagramas como Tréclau ou TREclau. Lautrec, aliás, herdou a excentricidade do pai, que costumava caçar vestido de cossaco e oferecer água-benta aos falcões de estimação, para que não fossem privados da religião professada pela família. Não raro, o artista pintava vestido de trajes orientais. Na bengala que sustentava o corpo ocultava engenhosamente uísque ou conhaque e um pequeno copo. Apesar do estilo de vida dissoluto, Lautrec era um artesão dedicado – chegava cedo ao ateliê mesmo depois de passar a noite toda bebendo, na farra com mulheres. Para o artista francês, o mundo marginal era o combustível de sua obra – inigualável. 

Postagens mais visitadas deste blog

De um lado cantava o sol - Cecília Meireles

Vermeer e os impressionistas

Depois do sol...