Pular para o conteúdo principal

Linguagem, Cultura e Educação: concepções



Lúcia Gracia Ferreira

Daniel Fernandes Lima


I - Introdução

Sabemos que a linguagem é ideológica, social, histórica e cultural e que está vinculada à vida do ser humano. Essa vinculação envolve o indivíduo dentro e fora da escola. Mas é fato que a linguagem se diferencia dependendo do contexto onde se vive. Os vários contextos onde se constrói e se esenvolve a linguagem têm sido alvo de estudos diversificados, entre eles estão os aspectos sócio-histórico-culturais. Por isso, entendemos que é na linguagem, como uma ação humana, que está inserida toda uma história adquirida através das experiências vivenciadas pelo indivíduo. Este aspecto se apresenta como uma rede de significados que revela o indivíduo no mundo.


Entendemos que a identidade do indivíduo é construída a partir da cultura. Nesse sentido, esse aspecto é importante para a construção da concepção de mundo dos seres humanos. Assim, na escola, os professores e os alunos constroem essa concepção de mundo a partir do contexto sócio-histórico-cultural em que vivem.
Assim, este artigo tem por objetivo fazer uma reflexão sobre a linguagem,a cultura e a educação, levando em consideração as concepções já existentes. Essa reflexão surge a partir da necessidade de relacionarmos a linguagem humana com a educação, levando em consideração também a cultura, através do qual tanto a linguagem quanto a educação é transformada.
II - Linguagem Humana: do que se trata?
O teórico Mikhail Bakhtin (1995) vê a linguagem numa dimensão sócio-histórica. Sendo a dimensão expressiva da linguagem também estudada pelo autor. Ele valoriza o homem como um sujeito que produz sentido, além de nos levar a reflexão sobre a importância e potencialidade da linguagem.
Bakhtin é visto como um teórico que ironiza a linguagem formal como forma de expressão. Este autor busca uma interação entre o homem e a língua, e se utiliza dos sentimentos, da criatividade, da história, da expressão, da palavra para a compreensão do signo imaginário e simbólico. Nesse sentido, Kramer (1993, p. 103) aponta que “a linguagem é produção humana acontecida na história; produção que - construída nas interações sociais, nos diálogos vivos - permite pensar as demais ações e a si própria, constituindo a consciência”.
Bakhtin (1995) compreendeu também a linguagem no aspecto ideológico e social. Nesse sentido, entende-se que a linguagem representa conceitos de comunicação, idéias, significados e pensamentos. Na prática educativa, essa linguagem pode ir além das capacidades faladas e escritas, podendo ser representadas por brincadeiras, gestos etc. É importante salientar que os universos discursivos atrelados às múltiplas linguagens permitem o desenvolvimento de práticas multidisciplinares, proporcionando um cenário de compreensão de uma dimensão pluralista e interativa. “A linguagem é um fenômeno plural” (TEIXEIRA, 1996, p. 184), e a função interativa da linguagem dá-se por meio do aspecto histórico-social. Ela é transformadora no sentido de constituir a relação entre homem e realidade natural e social.

III - Linguagem e Cultura



Souza (1995) nos diz que o termo cultura deriva do verbo latino colere, que significa "cultivar"; “honrar”; “tomar conta”; e “cuidar”. Assim, cultura inclui um conjunto de conhecimentos, crenças religiosas, arte, moral, direito, costumes que o homem adquiri não sociedade.
A linguagem não é só sócio-histórica e ideológica, é também cultural, pois recebe a influência do contexto cultural. Por isso, a “linguagem é, ao mesmo tempo, o principal produto da cultura, e é o principal instrumento para sua transmissão” (SOARES, 2002, p. 16).
 Geertz (1989) refere-se à cultura como uma “teia de significados”, extremamente necessária aos seres humanos. É a partir dessa idéia que entendemos a linguagem como produtora de sentidos, pois é pela experiência de mundo vivenciada por cada indivíduo que este vai expressar-se no mundo. A cultura é responsável, por exemplo, por uma consecução da linguagem impregnada por um determinado contexto social, pois o sujeito sociocultural se forma nesse
contexto com uma história cultural adquirida através das experiências vivenciadas. Teixeira (1996, p. 183) relata que “os sujeitos sócio-culturais constituem-se, pois, em suas experiências vividas no mundo, pelas quais se fazem a si mesmos e à história humana”.
A história da humanidade é feita pela história humana que se constitui de cultura. O homem como ser cultural traz em sua linguagem uma “bagagem” oriunda da cultura que o “denuncia”, o identifica.



 
 

Postagens mais visitadas deste blog

Minhas férias - Luis Fernando Veríssimo

Eu, minha mãe, meu pai, minha irmã (Su) e meu cachorro (Dogman) fomos fazer camping. Meu pai decidiu fazer camping este ano porque disse que estava na hora de a gente conhecer a natureza de perto, já que eu, a minha irmã (Su) e o meu cachorro (Dogman) nascemos em apartamento, e, até os 5 anos de idade, sempre que via um passarinho numa árvore, eu gritava "aquele fugiu!" e corria para avisar um guarda; mas eu acho que meu pai decidiu fazer camping depois que viu o preço dos hotéis, apesar de a minha mãe avisar que, na primeira vez que aparecesse uma cobra, ela voltaria para casa correndo, e a minha irmã (Su) insistir em levar o toca- discos e toda a coleção de discos dela, mesmo o meu pai dizendo que aonde nós íamos não teria corrente elétrica, o que deixou minha irmã (Su) muito irritada, porque, se não tinha corrente elétrica, como ela ia usar o secador de cabelo? Mas eu e o meu cachorro (Dogman) gostamos porque o meu pai disse que nós íamos pescar, e cozinhar nós mesmos o p…

Ruth Rocha - Vida e obras

De como a menina que devorava livros virou a escritora que aprendeu a voar. Quando Ruth Rocha sorri o mundo parece sorrir à sua volta. Na verdade são muitos mundos que se iluminam diante do seu eterno olhar de menina. A começar pelo que ela viu se transformar em mais de 80 anos de vida, metade deles dedicados a escrever histórias que marcam a vida de milhões de crianças e jovens. Uma das maiores escritoras da literatura infanto-juvenil brasileira, Ruth nasceu em 2 de março de 1931, em uma São Paulo muito diferente onde cada bairro parecia uma cidade do interior. Na Vila Mariana onde cresceu haviam grandes chácaras, com muitas árvores, carregadas de flores e frutos, quintais e caminhos de terra que foram cenário para as suas brincadeiras e aventuras de infância. A segunda filha do Doutor Álvaro e de dona Esther, ouviu da mãe as primeiras histórias contadas como tradição de família ou lidas em livros de contos clássicos e de Monteiro Lobato. O mundo da literatura se abriu de vez com Rei…

Resumo do livro Pra que serve?, de Ruth Rocha

Mesmo que não haja uma definição específica do que seja romance juvenil, é comum os autores consagrados da literatura infantil também se aventurarem no universo adolescente ou juvenil, escrevendo narrativas que enfocam as questões “próprias” da idade: medos, relacionamentos, separação de pais, entre outros.  O livro Pra que serve?, de Ruth Rocha, uma das obras que fazem parte da coleção Literatura em Minha Casa, distribuída para alunos de escola pública de todo o Brasil, nessa obra, em uma historia bem interessante, começa quando marina vai para um acampamento nas férias e lá ela encontra pessoas que conhecem e não, ela fica em um quarto com mônica, Mirna e as geme-as Paula e Patrícia, no segundo dia todo mundo vai para a aula de artes,  Marina faz um jacaré e depois quando ela vai para o quarto Pedro chega para ela e pergunta,  Marina pra que serve esse jacaré? Marina não sabe responder e fica pensando a respeito. No dia seguinte fica perguntando para as pessoas e para si mesma para…