A porta sem tranca

Robert Frost


Passaram-se muitos anos,
Mas finalmente bateram,
E pensei na porta
Sem tranca p'ra trancar.

Apaguei a luz,
Fui na ponta dos pés,
Ergui as duas mãos
Rezando para a porta.

Mas a batida repetiu-se
Minha janela era larga;
Eu trepei no peitoril
E pulei para fora.

Perto do peitoril
Gritei um "Pode entrar"
Para quem quer fosse
Que batera na porta.

De minha prisão
Resolvi escapar
Para esconder-me no mundo
E com a idade de mudar.

Postagens mais visitadas deste blog

De um lado cantava o sol - Cecília Meireles

Vermeer e os impressionistas

Depois do sol...