Ceifando... Robert Frost

Robert Frost

Nunca houve som nenhum no bosque a não ser aquele,
que era o de minha longa foice murmurando para a terra.
O que é que murmurava? Eu mesmo não o sabia!
Acho que era qualquer coisa sobre o calor do sol,
Algo talvez sobre a fal de som -
E é por isso que só murmurava e não falava.
Não sonhava com a dádiva de horas coisas,
Nem com o ouro fácil na mão de fadas ou de elfos;
Algo mais que a verdade teria parecido fraco
Para o sincero amor que sulca e alinha a terra,
Não sem fracas pontas de flores (Pálidas orquídeas),
E que assustou uma serpente reluzente e verde.
O fato é o sonho mais doce que o trabalho conhece.
Minha longa foice murmurou e deixou o feno por fazer.

Postagens mais visitadas deste blog

De um lado cantava o sol - Cecília Meireles

Vermeer e os impressionistas

Depois do sol...