Diante do Rio - Cyro de Mattos




















Mancha ao invés de espuma
perau ao invés de remanso
queda ao invés de mergulho
dúvida ao invés de certeza
lua muda ao invés de ave branca
nessa tarde de brilho longínquo
maduros janeiros em tuas águas
ainda que me ocultes em tua fábula
há em tua flor de água-pé
a proposta livre da vida,
canção de aurora riberinha
no meu nado cristalino e afoito.

MATTOS, Cyro de. Vinte poemas do rio. Ilhéus: Editus, 2001

Postagens mais visitadas deste blog

De um lado cantava o sol - Cecília Meireles

Vermeer e os impressionistas

Depois do sol...